CULTURA | Coragem Moçambique, acena-se de Lisboa

@cvr | 20-08-2020 | CULTURA | Agenda

A BARRACA organiza um derradeiro recital de poesia e de música no Jardim de Santos, já no dia 28 de Setembro às 21h00, sendo Moçambique o país que encerra a iniciativa cultural A BARRACA A CÉU ABERTO-NO CORAÇÃO.

O convite dos organizadores é formulado nos seguintes termos:

Como inicialmente anunciámos no lançamento deste projecto, depois da Poesia e da Música Espanhola e Brasileira terem servido de base aos recitais levado  a cena  pela Barraca no Jardim de Santos, e a que chamámos respectivamente Espanha no Coração e Brasil no Coração, chega a vez de Moçambique. São os países que A Barraca mais visitou, em que melhor foi recebida e que neste momento em plena pandemia, por uma razão ou por outra, se encontram em situações de perigo e de dor. Pensamos naqueles povos que conhecemos, por cujas terras itinerámos, a quem demos o melhor do nosso trabalho e o que temos para dar-lhes agora é, de longe, como se de um aceno de coragem se tratasse, oferecer ao nosso publico  a grandeza das suas palavras através da escrita dos seus poetas e da beleza e emoção das suas músicas.

HORA DE MOÇAMBIQUE

Chegou portanto a vez de Moçambique Último recital desta série solidária.

Em 1981 A  Barraca vai a Moçambique pela primeira vez. É apresentada ao Povo de Moçambique como um Grupo de Teatro Português, amigo de sempre,que como tal deve ser tratado.Membros da Barraca já conheciam ,de tempos difíceis para todos muitos elementos que o fim do colonialismo trouxe para a ribalta da sua história. Levamos na bagagem É menino ou Menina ? de Gil Vicente e Preto no Branco de Dario Fo . Do Rovuma ao Maputo fizemos uma maratona de 42 espectáculos.

 Orientamos oficinas em escolas e grupos a principiar actividade, colaborámos na criação de outros, como naquele  importante grupo que veio a chamar-se    Mutumbela GoGo que muitas vezes depois se apresentou no Cinearte e que   continua a trabalhar ainda que com enormes dificuldades. 

Fernão Mentes?

Criámos, com o Fausto Bordalo Dias que integrava a nossa companhia( porque a música que estava a trabalhar para Fernão Mentes ? não devia suspender ensaios, nem próximidade ) um grande espectáculo com textos Moçambicanos e Portugueses que apresentámos em várias cidades além de Maputo e Beira. De Sul a Norte ouvimos o hino dos Continuadores,comemos galinhaque era o melhor que havia em todo o país.Lemos nos jornais o espelho do nosso rasto. Fomos muito felizes.

Em 1985 voltámos com Fernão Mentes? e Santa Joana dos Matadouros deBrecht

Dez anos depois voltámos para a 1º edição da Cena Lusófona..Levámos connosco O Avarento,de Moliére,última dádiva de Raúl Solnado ao Teatro,Maria Parda ,e a peça de Helder Costa Parabéns a você. 

Abraço da Barraca

E agora em 2019 recebo de surpresa noticias do Festival de Maputo ” AHoje é AHoje “.  É um convite para ser Patrona do Festival. Não é possível contar a alegria que aquele convite e aquele inesperado carinho me deu.

Aqui vai este outro abraço da Barraca Toda de reconhecimento , amizade e sobressalto politico.

Fonte : Convite da Barraca, @ foto, cartaz da A Barraca