AGENDA | A galopar hasta enterrarlos en el mar

SF | 12 setembro 2020 | Manuel Branco exprime o seu otimismo face aos constrangimentos surgidos na realização da Conferência comemorativa dos 50 anos da ODTI Observatoire sur les Discriminations et les Territoires Interculturels (ODTI) de Grenoble com palavras mágicas que Paco Ibanez canta de forma magistral. Estamos perante um adiamento de um evento previsto para 18 de setembro no qual qual a AEP61-74 – Associação de Exilados Políticos Portugueses e outros parceiros do projeto #ECOS iriam participar.

A preparação da conferência já estava muito adiantada e nada faria supor que alguns dias antes da sua realização surgiriam novos elementos relativos à pandemia de COVID-19 que forçaram uma decisão claramente indesejada.

Participantes de risco

“História e futuro dos movimentos de oposição às guerras coloniais e imperialistas” é o tema do encontro que está a ser organizado por 3 entidades, duas da região de Grenoble e outra de Portugal, a AEP61-74 na circunstância. Claude JACQUIER, diretor da ODTI de Grenoble que comunicou a decisão de reportar a sessão para o próximo ano, para data a ser oportunamente anunciada, não deixou de mencionar um dos aspetos mais relevantes do cenário previsível para 18 de setembro nos seguintes termos “Também é verdade que a nossa conferência de 18 de setembro de 2020 pretendia atrair várias dezenas dos nossos membros que a Prefeitura considera pessoas vulneráveis em relação ao COVID 19 (com mais de 65 anos).”

Debate permanente

Claude Jacquier pretende lançar, na sequência do adiamento do evento previsto para comemorar os 50 anos da ODTI algumas iniciativas. Uma delas consiste na abertura de um debate permanente que culminará num colóquio no próximo ano, anunciado nestes termos:
<[….] Por outro lado, iniciaremos um seminário preparatório permanente para uma conferência sobre as guerras de resistência, anticoloniais e de independência (Haiti e Caribe, Argélia, antinazis e antifascistas, Indochina, Vietname , África Subsaariana Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde, etc.) e sobre os movimentos de deserção e exílio que se concretizam com a independência. Por outro lado procuraremos responder à pergunta Que futuro para as diásporas no mundo? […]>.

Perspetiva internacional

“Este é um campo de análise e uma perspectiva de ação que obviamente interessa aos nossos membros. Eles terão muito a dizer sobre essas questões e, naturalmente, continuarão a expressar-se sobre o assunto nos sites das nossas associações. E este projeto também pode ajudar a ampliar os meios de intercâmbio e ação nesta área temática a nível internacional …” concluiu o dirigente da ODTI local.

Exposições e projeções de vídeo

Recordemos que os objetivos da iniciativa são principalmente os seguintes: Reavivar os traços da memória desses movimentos de resistência e o seu papel histórico, mas também sublinhar o seu interesse nos debates atuais sobre os múltiplos conflitos militares e políticos de hoje.
Este encontro incluirá uma exposição de fontes documentais e publicações disponíveis sobre o tema, projeções de vídeos e filmes, depoimentos de protagonistas ainda vivos e uma conferência seguida de debates com historiadores especializados.
Para além destes pontos organizadores das sessões está ainda prevista a auscultação e sondagem entre os participantes para analisar o papel histórico dessas resistências e considerar a possibilidade de criar, entre eles, uma rede internacional de trocas e ações.

Para além da ODTI de Grenoble e da AEP61-74 é também organizadora da iniciativa a associação Association des Anciens Appelés en Algérie et leurs Amis Contre la Guerre(4 ACG).