Chover no molhado

SF | 28-09-2020 | OPINIÃO

por Helder Costa

Woody Allen estreou o filme ” Celebridades” em 1998. Era uma sátira incisiva e de bom gosto sobre o ridículo dessa gente dos restaurantes e bares finérrimos entre eles, já lá estava este Trump, e já era Trumpolineiro.

O Woody pergunta-lhe “vai continuar a construir torres?”

“Claro! e cada vez mais altas!” respondeu o menino.

Nessa época já ele tinha seguido as vigarices do paizinho construtor civil seguindo os conselhos do advogado Roy Cohn, adjunto do MacCharty que levou o casal Rosenberg à cadeira eléctrica. Este Donald foi consulta -lo porque o pai tinha medo de ter um processo por discriminação contra negros e judios em relação a vendas e alugueres dos seus milhares de apartamentos. O conselho foi muito simples, digam que é mentira!

O truque funcionou durante uns dez anos e quando se esgotou puseram um processo ao Estado por ofensas ao bom nome, e ganharam! Claro que deve ter havido a habitual corrupção de funcionários e juízes e o jovem Trump nunca mais se esqueceu. E a democracia Norte Americana esteve muito distraída. É que toda a gente sabia que ele não pagava impostos, que passava a vida com falências, e que invocava a sua extraordinária inteligência para sempre se safar!!

Tenho realmente pena de gente séria desse país, a ter que aturar isto. A propósito, Chomsky acabou de publicar um apelo para o aparecimento de uma Internacional Progressista que consiga bloquear a acção criminosa iniciada por Reagan e Thatcher contra o equilíbrio do nosso massacrado mundo. A ler e pensar

Helder Costa, dramaturgo