OPINIÃO | 2021, um ano para voltar a respirar

O QUE NOS TRAZ 2021 ?

SEM FRONTEIRAS | 1 de janeiro 2021 | OPINIÃO | Editado CR,SF.

por Álvaro Vasconcelos, Fundador do Forum Demos.

Se 2020 foi o ano da Pandemia que englobou a Humanidade na mesma tragédia, foi também o ano em que começámos a vencer o vírus da desumanidade, do ódio pelo outro, da intolerância, e da indiferença perante a desigualdade que infiltrou as democracias e as ameaça.

Respondendo ao não posso respirar de George Floyd, assassinado pela América do ódio racial, de um Presidente apoiado pelos supremacistas brancos, milhões, no mundo inteiro, gritaram a sua indignação.

Em Portugal

Em Portugal, do negacionismo racista e colonial, emergiu um influente, inesperado para muitos, movimento cívico, que deu voz a uma comunidade afro-portuguesa, que deixou de ser invisível e tem presença na Assembleia da República. A dimensão das manifestações de protesto contra a violência racial na sequência do assassinato de Bruno Condé mostrou que em Portugal, em plena pandemia, também a sociedade civil se vai autonomizando da hegemonia dos partidos políticos e quebrando o consenso cúmplice com a narrativa de um Portugal não racista e para sempre livre do perigo da extrema-direita. Por outro lado, o assassinato de Ihor Homenyuk, um imigrante Ucraniano, por agentes do SEF, confirma a urgência do combate pelos direitos humanos em Portugal.

No mundo

Apesar da pandemia ou por causa dela, a força dos movimentos cívicos faz de 2020 o ano em que o refluxo democrático começou a ser revertido. Foi a mobilização, desde o primeiro dia da administração Trump, da marcha das mulheres ao movimento do Black Lives Matter, que permitiu a eleição de Biden e Harris. No Chile, grandes manifestações populares forçaram a revisão da constituição herdada da ditadura de Pinochet. No mundo Árabe a indignação voltou a ocupar ruas e praças, com o Hirak, lembrando que as aspirações democráticas de 2011, apesar da violência e da guerra, continuam a ser, hoje, as da maioria da população. A mesma aspiração à liberdade soprou , apesar da brutal repressão, em Hong Kong e na Belorussia. Já no fim do ano, na Argentina, a sociedade civil foi determinante na despenalização da interrupção voluntária da gravidez.

A sociedade civil

Nos últimos anos, partidos da direita democráticos, por esta Europa fora, mostraram-se prontos a facilitar a chegada ao poder da extrema-direita, como aconteceu em Portugal, em 2020 nos Açores, com a formação de um governo liderado pelo PSD com apoio do Chega. Lá onde muitos partidos democráticos se mostraram timoratos, calculistas, prontos, por ambição do poder, a fazer alianças com a extrema-direita, quem afirma com força os valores da nossa Humanidade Comum, é a sociedade civil. Desde logo, na mobilização da sociedade em defesa do imperativo ético da hospitalidade, dos direitos dos migrantes e dos refugiados. Na contestação das desigualdades sociais ou de género e na força do movimento ecologista, onde se inserem as greves ambientais.

O soft power

 A influência dos países não se mede apenas pela dimensão do seu PIB, ou das suas forças armadas, o soft power, o poder de atracção de um dado Estado é, numa sociedade de cidadãos interconectados, uma componente essencial do poder. Ora, o soft power depende em larga medida da vitalidade da sociedade civil de um dado Estado, da capacidade do seu sistema de governo em integrar as suas reivindicações, essencial para aparecer aos olhos do Mundo como comprometido com o bem comum. O opróbrio mundial dos Estados Unidos é a herança dos anos Trump que agora chegam ao fim.

Os balanços catastróficos de 2020 tendem a fazer dele, neste século, o ano zero da nossa Humanidade. Seria uma negação da esperança não ver que no meio da catástrofe emergiram as forças que podem reverter o refluxo democrático e construir um Mundo melhor.

Um outro futuro é possível

Não houve nacionalismo, nem America first, que protegesse os americanos do vírus. Ao mesmo tempo, a globalização neoliberal, com a pandemia e a consciência aguda da desigualdade que cria, deixou de ser uma política viável. Um outro futuro é possível, em que uma sociedade civil conectada, portadora dos valores da Humanidade comum, seja capaz de controlar a globalização económica e garantir a segunda globalização, de que fala Edgar Morin, capaz de proteger a vida na Terra.

Apesar da imprevisibilidade e apesar da tragédia da pandemia, paradoxalmente, termino 2020 mais otimista do que terminei 2019, quando a vaga populista vaticinava destruir tudo por que tínhamos lutado, antes e depois de 25 de Abril de 1974. Hoje penso que em 2021, com o fim do Governo Trump, com a vacinação em massa – esperemos de forma universal – as condições são favoráveis a um renascimento democrático. Para isso é, desde logo, necessário garantir que o fundo de recuperação da União Europeia será um instrumento para combater a desigualdade social e o aquecimento global. Mais, para haver a mudança desejada, é urgente que as vozes da sociedade civil, que exigem uma sociedade mais justa, mais hospitaleira e ecológica, não se calem e sejam ouvidas.  Assumir a dimensão europeia é um imperativo para a nossa sociedade civil.

Em 2021, será possível e necessário construir alternativas sólidas a Bolsonaro, Orban, Salvini, Le Pen , Modi e impedir, em Portugal, a aliança entre a direita democrática e a extrema-direita. Estes são os meus votos democráticos para o novo ano.


Álvaro Vasconcelos, Fundador do Forum Demos

Álvaro Vasconcelos no Cairo – 2011

Fotos © Álvaro Vasconcelos

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*