Livro Exílios

EXÍLIOS.1 Disponível aqui em formato PDFLIVROD’EXILIOS1-

O livro Exílios já se encontra à venda em livrarias. Eis a lista:

Palavra de Viajante, Rua de S. Bento, 34 em Lisboa.

Pó dos livros, Fábula Urbis e Ler devagar, em Lisboa

Lápis de Memórias, Atrium Solum, Av. Elísio de Moura, 85, Loja 9A, Coimbra

Quiosque Stº António – Av. do Mar – Costa de Caparica

Casa das Artes  – Rua Cândido dos Reis nº 49 A/B  – Cacilhas

Mensagem Aberta, rua Dr. Miguel Bombarda,68, 2600-190 Vila Franca de Xira

Livraria “A das artes”, Sines

Librairie Portugaise & Brésilienne , 19/21 rue des Fossés Saint-Jacques, Place l’Estrapade  –  75005 Paris
Métros : Luxembourg (Rer B), Place Monge ou Cardinal Lemoine.  Bus : 21, 27, 84,89, etc.

Pode encontrá-lo ainda na AJA Lisboa, Rua de S. Bento 170

Aja Setúbal, rua detrás da guarda, 26 a 34
2900-347 Setúbal

Aja Norte, Rua do Bonjardim 635 1º Tras.
4000-028 PORTO

newcapa FINALSessões de apresentação do livro Exílios 2016:

Loulé, 23 de Abril, 15h30, Biblioteca Sophia Melo Breyner.

Lagos, 26 de Abril, 21h00, Biblioteca Municipal.

Fundão, 28 de Abril, 19h00, Biblioteca Eugénio de Andrade.

Vila Franca de Xira, 4 de Maio, 21h00 Junta de Freguesia.

Lisboa, 12 de Maio, AJA, 19h00, Rua de S. Bento, nº 170.

Porto 13 de Maio, UNICEPE ou da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto.

Aveiro 14 de Maio (local e definir)

Grenoble, 19 de Maio, 18H30, Maison de l’Internationale.

Paris, 21 de Maio, Lusofolie’s, 16h30, 57 Avenue Daumesnil (Metro Gare de Lyon).

Coimbra, 24 de Maio, 17h30. No Teatro Académico Gil Vicente. Praça da República (cafetaria 1º andar)

Lisboa 25 de Maio, 19h00, Centro interculturacidade, Travessa do Convento de Jesus 16A, Lisboa.

Caparica 4 de Junho, 16h00, Biblioteca Maria Lamas

Estocolmo, 16 de Junho, Universidade de Estocolmo

Caldas da Rainha, 24 de Junho, Centro Cultural e de Congressos

Amesterdão, 1 de Outubro, Associação Portuguesa de Amesterdão

Lisboa, 10 de Outubro, Ordem dos Engenheiros

Lisboa, 14 e 15 de Outubro, Casa do Alentejo, Conferência Exílios, Migrações e Associativismos na Europa do século XX

Lisboa, 27 de Outubro, Colóquio ” O (as)salto da Memória”, Universidade Nova de Lisboa

Condeixa, 12 de Novembro, Biblioteca Municipal de Condeixa-a-Nova

Sessões de apresentação do livro Exílios 2017:

Cacilhas, 12 de Janeiro, Casa das Artes

Dudelange, Luxemburgo, 22 de Janeiro, Gare de Dudelange

Braga, 31 de Janeiro, Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva

Sessões agendadas do livro Exílios 2017:

Lisboa, 11 de Abril, Museu do Aljube

Lisboa, 20 de Abril, Junta de Freguesia do Lumiar

Sines, 29 de Abril. Livraria A das Artes

Fanhais, 20 de Maio

Nasceu este projecto de conversas entre amigos e antigos camaradas que pensaram ser importante dar a conhecer memórias e histórias do seu exílio. Um projecto tão antigo como o 25 de Abril. Morreu um de nós e resolvemos, em silêncio, “enterrar” o projecto com ele. Não deliberámos em conjunto, mas sabíamos que esta era a melhor opção. Durou anos, o nosso “luto”. Os arquivos foram acumulando poeira, as memórias ficando mais cinzentas, um doce e acre esquecimento pousado nas prateleiras.

Com os protagonistas de uma parte da história portuguesa recente esquecidos, tudo estava em paz. Há um ano e meio atrás, o projecto “ressuscitou”. De forma quase espontânea, gerou-se um movimento de recolha e troca de experiências, com o fim de dar a conhecer esta vivência, que poucos experimentaram e muitos desconhecem: as dificuldades, os momentos dolorosos e felizes, a festa, a revolta, a saudade de uma pátria triste e violenta. Falar, dizer, escrever, o livro do exílio. Falar, de uma Europa de cidadãos solidários com a nossa causa e com as nossas paixões. Escrever, sobre o “aperto de coração”, quando a “salto” nos aventurámos num país e numa língua desconhecida que aprendemos na boca de ouvir e amar. Escrever, sobre a nossa experiência nos frios do Norte do sol escondido, com o Mediterrâneo tão longe. Escrever todas as cartas, por dizer, a nós próprios e aos amigos. Escrever sobre um passado longínquo, que hoje nos interpela e que queremos seja ouvido. Este livro está orientado para Norte: de França à Suécia, passando pela Bélgica, Luxemburgo, Holanda e Dinamarca. À semelhança dos exilados que viajaram na mesma direcção. No subtítulo deste livro, sublinha-se que são “testemunhos de exilados e desertores na Europa (1961-1974)”. São vinte e dois autores que falam de exílios, clandestinidades, nomes de guerra, disfarces, incomunicabilidades, pensamentos estanques, vidas duplas e triplas, histórias de vida. O indizível, expõe-se.

Foram anos difíceis, os do exílio. As histórias que se seguem, dão conta disso. Sem alardes heróicos, sem falsas modéstias. Histórias nuas e cruas de uma geração que não pactuou com o regime fascista nem com a guerra colonial.   Quem escreveu este livro, são homens e mulheres que participaram de forma activa neste universo, actuando nos territórios de exílio em coerência com a sua opção de recusar umas forças armadas, envolvidas na guerra colonial e, simultaneamente, junto das comunidades emigradas na Europa, denunciando a carácter fascista e colonialista do governo português.   As mulheres têm aqui um lugar especial. Não sendo naturalmente “desertoras” do exército, pautaram a sua condição de exiladas, numa escolha que foi sua, por uma intervenção militante muito próxima dos desertores e refractários. Os seus testemunhos completam e revisitam muito daquilo que os seus camaradas e companheiros de então, nos relatam nos seus textos. Ler o que aqui se conta, permite-nos superar a mera enunciação das escolhas políticas, partilhadas por todos e comuns a tantos outros jovens, que escolheram a via do exílio para não fazer a guerra e continuar o combate. Reconhecendo o seu quotidiano e, através desse conhecimento, poder confirmar que o caminho que escolheram não foi o mais fácil. Foi uma geração que saiu, para voltar, com a ideia de poder derrubar um regime podre e repressivo, policial e agressor. Uma geração anti-militarista, nem sempre compreendida pelos militares que fizeram a revolução, para quem a deserção foi um assunto “tabu”. De facto, quando na noite do 25 de Abril, vimos nas televisões europeias as imagens da Junta de Salvação Nacional, tememos o pior. Aquelas figuras fardadas, de óculos escuros, recordavam-nos situações semelhantes de outros golpes militares noutros continentes. Mas, não foi assim. Este livro é também a prova de que não foi assim. 25 de Abril, sempre!

AUTORES
Ana Rosenheim, António Paiva, Carlos Estevão, Carlos Neves, Carlos Ribeiro, Fernando Cardeira, Fernando Cardoso, Hélder Mateus da Costa, Irene Pimentel, Joaquim Saraiva, Jorge Leitão, José Torres, Manuel Branco, Maria Irene Martins, Merita Andrade, Rui Bebiano, Rui Guimarães, Rui Mota, Teresa Couto, Teresa Perdigão, Tino Flores e Vasco Martins.

ÍNDICE

Introdução Fernando Cardoso

Prefácio Rui Bebiano

A inevitabilidade do exílio Teresa Perdigão

Não à guerra colonial Hélder Mateus da Costa

Os dilemas não são o meu forte Carlos Estevão

O maneta Carlos Ribeiro

A Grenoble do meu coração Merita Andrade

A ida para França Manuel Branco

Memórias e coisas para serem contadas Manuel Branco

Na região de Grenoble nos anos 61/74 preparávamos a revolução Manuel Branco

Folgas…só de quinze em quinze dias Teresa Couto

Ida e volta uma história de amor. Agora, ir para onde? Ana Rosenheim

Desertores e refractários Irene Lima Martins

1961-1967 Não ser carne para canhão… Vasco Martins

Non, je ne regrette rien José Torres

A passagem Fernando Cardoso

15 Rue du Moulinet, Paris XIII Fernando Cardoso

O grupo da Dinamarca Rui Guimarães

Caminhos da deserção António Paiva

25 A 74: O dia mais longo Rui Mota

Holanda: organizações de solidariedade Rui Mota

Comité de Refugiados na Holanda: uma história por contar Rui Mota

Hotel Regina Joaquim Saraiva

Suzi e os outros Jorge Leitão

Da Dinamarca…com amor Carlos Neves

A importância política da deserção Fernando Cardeira

Posfácio Irene Pimentel

Desertion and Exile: Experience and Memory (A Kind of Preface)

Desertion et exile: experience et mémoire (comme un préface)

Imagens da época

Estante de O Alarme

Os livros que lemos

Glossário

Que imagens

Créditos fotográficos, agradecimentos

Comments are closed